Parent work days

Parent work days

parentworkday.jpg

Minha filha de dois anos e meio começou há um mês a frequentar o Jardim de Infância. Nós moramos em Washington D.C e apesar das boas escolas públicas dessa região em que moro, elas são apenas para crianças com mais de 5 anos. Até lá, a opção dos pais são creches e escolinhas particulares, a maioria delas bem caras.
Mas por aqui há uma filosofia que, mesmo pagando, é "obrigação" dos pais fazer um trabalho voluntário. Ainda que ninguém seja obrigado, todos participam porque "faz parte" da cultura. No caso da escola da Alice, a mãe ou o pai deve se inscrever para ajudar na escola por quatro dias ao longo do ano. Não é muito. Mas o detalhe é que uma das regras diz que a ajuda só pode ser dos responsáveis pela criança, não pode em hipótese alguma ser substituída por avós ou babás.
Ontem foi o meu primeiro dia. Não parei um minuto: separei trabalhinhos nas pastas, preparei material para aula de artes, dei uma "faxina" na casa de brinquedos do parquinho, recortei os desenhos para colagem, limpei mesinhas e o chão depois do lanche. Isso tudo em quatro turmas diferentes. Nunca na turma do próprio filho. Para uma brasileira acostumada a pagar por serviços, achei a experiência incrível. Pensei que o tempo ia demorar pra passar, mas tudo foi muito proveitoso. Ainda pude trocar idéias com o pessoal da escola e com a outra mãe, minha colega de serviço do dia. Me senti inserida no mundinho da minha filha e pude dar mais valor ao trabalhão que dá ser professora e cuidar de uma escola. E você? Iria gostar de colocar a "mão na massa" na escolhinha do seu filho? Já teve esta experiência em alguma parte do mundo? Conta pra gente!

 

A MPB na Arca

A MPB na Arca

Minha vida sem sono

Minha vida sem sono