Um filme para ver que o tempo passa...

Um filme para ver que o tempo passa...

Ontem vi um filme super bacana - Boyhood. O filme mostra um menino, virando adulto. No começo do filme, ele deve ter uns 6, 7 anos e o filme termina com ele saindo de casa para ir para a faculdade. O filme tem quase 3 horas de duração mas eu, pessoalmente, não perdi o interesse em nenhum momento.  Neste período acontecem coisas divertidas, dramas familiares, mudanças de escola, namoradinhas, bullying, fases boas, fases ruins... enfim, vida. Não é uma história em que acontece algo espetacular, é uma história normal, de um menino com pais separados, com um irmã temperamental, uma história que podia ser a minha ou a sua e é isso que é fascinante. O filme mostra através dos olhos do menino, o cotidiano de família ao longo dos anos, de uma maneira super real. Mas tem três coisas que me tocaram muito nesse filme e que por isso recomendo muito. Primeiro, se você é mãe (ou pai) de menino, é interessante porque é uma visão bem menino da vida e não deve ser muito fácil virar homem... impossível para mim assistir o filme e não pensar que nos próximos anos, irei assistir meu filho virando homem. Segundo, sabe aquela história de que o tempo passa? A gente escuta isso do momento que nossos filhos nascem em diante, e muitas vezes é uma coisa que a gente sabe na teoria, mas que na prática é pouco palpável. Pois então, aqui dá para ver muito o tempo passando, não só pela maneira com que a história é contando, mas também porque eles simplesmente usaram os mesmos atores durante 12 anos! Sim, o filme demorou 12 anos para se produzido, e você vê o protagonista e todo mundo ficando mais velho ano a ano (inclusive a mãe - ô dureza!!!). Então, é realmente muito real, muito impressionante mesmo. E por último, outra coisa que me tocou muito foi personagem da mãe, uma mulher super batalhadora (como a maioria de nós), que coloca seus filhos na frente dos seus próprios interesses (como a maioria de nós) e que um dia vê que conseguiu, com muito esforço, criar dois adultos bacanas e que no meio do caminho atropelou bastante da sua vida para conseguir fazer isso. Ela tem orgulho da sua trajetória, mas foi tanta luta, que ela nem sabe direito o que fazer depois que os filhos ficaram adultos. Tudo muito normal. Tão normal, que até assusta...

Bom, quem assistir depois me conta o que achou. :-)


Tarja Branca - imperdível!

Tarja Branca - imperdível!

Uma carta para uma mãe agoniada com a doença do filho

Uma carta para uma mãe agoniada com a doença do filho