7 perguntas para La Guardia Cross Jr: as aventuras de um pai de primeira viagem

7 perguntas para La Guardia Cross Jr: as aventuras de um pai de primeira viagem

Conheci La Guardia Cross Jr por meio dos vídeos dele sobre as dores e delícias da paternidade recente (e que são sucesso aqui nos Estados Unidos). Ele sempre sonhou em ser pai. E esta fantástica experiência pra ele tem apenas pouco mais de um mês. Imaginei que por trás deste músico e design gráfico multimídia, havia um cara bastante sensível. Não errei na minha previsão. Nesta entrevista para o nosso blog, ele se mostra um pai (e marido) apaixonado. Ele tem 33 anos e é casado há 7 com Leah. E como muitos papais: deixou de dormir tranquilamente desde o dia 7 de novembro (quando Amalah nasceu). 

1- Como você se sentiu quando viu sua filha pela primeira vez? E por que você decidiu fazer os vídeos sobre a sua experiência como pai?

Ao ver minha filha pela primeira vez me senti como uma criança vendo um mágico realizar uma mágica pela primeira vez. Olhei para ela com admiração e espanto. Eu estava orgulhoso da minha esposa que fez nascer esta magia. Eu quis fazer os vídeos para deixar como um marco na minha vida. É algo que eu quero lembrar e compartilhar com a minha filha ao longo dos próximos anos.

2- Desde o dia em que sua filha nasceu o que tem sido mais difícil de ter um bebê recém nascido? E a melhor coisa?

Difícil são os altos e baixos de se comunicar com um recém-nascido e, por vezes, sentir-se impotente quando eu não consigo consolá-la. O melhor é quando minha filha olha fixamente para mim e eu tenho longas conversas com ela sobre coisas aleatórias.

3- Até agora (sua filha acabou de fazer um mês de idade) o que a sua esposa está achando de você como pai? Você é bom ajudante?

Ela me incentiva muito e diz que eu estou fazendo um ótimo trabalho, mesmo quando eu realmente não sei o que estou fazendo (risos). Eu acho que nós formamos uma grande equipe. Nós nos revezamos em tudo. Geralmente ela  troca a fralda, enquanto eu preparo o leito (ela não pode amamentar). Eu ajudo a limpar a casa, faço massagens na minha mulher, encorajo-a e faço elogios.

4- Você acredita que a sua geração está mais bem preparada para a paternidade? 

Sim e não. Há uma abundância de avanços tecnológicos e recursos que podem tornar as coisas mais convenientes, mas o maior trunfo é o meu suporte familiar. O que tornaram as coisas mais fáceis pra mim ao ser pai foram as experiências e sabedoria que a minha família me trouxe. Problemas financeiros, relacionamentos fracassados e a falta de suporte familiar podem fazer com que seja extremamente difícil para a minha geração constituir uma família. Eu tive um pai que ficou ao meu lado e me deu um amor que ele nunca recebeu de seu próprio pai ausente. 

5- Como você está conciliando sua carreira e o cuidado com a sua filha?

Fui abençoado com um trabalho flexível, que abre espaço para eu estar perto da minha filha. Tenho como acomodar o meu trabalho e acompanhá-la nas consultas médicas, por exemplo.

6- Que tipo de conselho você pode dar aos pais brasileiros?

Tenha um bom relacionamento com a mãe de seus filhos. O modo como você a trata será o primeiro exemplo. E assim o seu filho vai ver como os relacionamentos funcionam. Outro ponto importante é: se a sua família ou amigos estão dispostos e capazes a ajudar nos primeiros anos, deixe-os ajudar. Não deixe o orgulho ficar no caminho de receber assistência. Você pode obter ajuda sem abrir mão de seu papel como pai.

7- Qual o assunto do seu mais recente vídeo?

O vídeo é sobre a primeira coisa que as pessoas disseram que eu teria que sacrificar ao tornar-me pai: o sono. Eu compartilho meus métodos de tentar colocar minha filha para dormir e peço aos pais para me contarem o que funciona ou não funciona para eles. Eu adoraria que os leitores (e leitoras) brasileiros me dessem dicas! Eu tenho certeza que posso aprender muito com eles:-)


O amor incondicional pela minha filha demorou pra acontecer

O amor incondicional pela minha filha demorou pra acontecer

Por que algumas crianças se esforçam e outras desistem?

Por que algumas crianças se esforçam e outras desistem?