Mesmo eu sendo bem firme, meu filho não é comportado

Mesmo eu sendo bem firme, meu filho não é comportado

maes anonimas.jpg

Lendo alguns textos deste blog, me deparei com coisas que falaram muito ao meu coração.

Parei para pensar no meu filho que tem 2 anos e 7 meses. Inevitavelmente, comparo o comportamento dele com de outras crianças e fico me perguntando onde estou errando.

Vejo pais saindo com seus filhos para passeios super legais e não entendo por que comigo não funciona tão bem. Meu filho, apesar de ser um amor em certas ocasiões, é uma criança de temperamento bastante forte. Não é fácil lidar com isso, especialmente quando mil pessoas ao meu redor têm uma solução para o caso (ou eu não estou tendo pulso firme, ou eu não estou sabendo educar, ou isso, ou aquilo...).

O fato é que tenho plena consciência de que sou uma mãe bastante firme, que me empenho ao máximo para colocar limites. Mas algo está saindo errado e eu ainda não identifiquei o que é!

Meu filho faz pirraça, se joga no chão... Ir com ele a um restaurante é quase impossível, porque ele é bastante agitado. No shopping, ele sempre quer correr na nossa frente, nunca quer andar de mãos dadas. Morro de medo dele se esconder entre as araras das lojas, porque quando ele se esconde em casa a gente precisa achá-lo, já que ele "não se entrega". Eu gostaria que os passeios com ele fossem mais fáceis. Mas a agitação dele sempre torna as coisas meio difíceis.

Em alguns momentos tenho que lutar para não me sentir fracassada. Sou do tempo em que as crianças obedeciam seus pais apenas com uma troca de olhares! Eu não respondia a minha mãe, não fazia birra na rua. MInha mãe sempre repete isso. E essa colocação muita vezes me faz pensar se minha mãe foi melhor mãe do que eu... Sabe daquelas coisas que não adianta nada você ficar ouvindo? Que só ajuda você a se sentir ainda mais impotente?

Minha mãe acredita que quando uma criança "faz vergonha" na rua é porque não foi devidamente educada em casa! Também tenho uma amiga que teve só um filho (agora já quase adolescente). O filho dela é naturalmente tranquilo e obediente. E ela vive me dando várias lições de como ela criou o filho dela maravilhosamente bem e fica repetindo: "O fulano nunca fez isso!" ou "Com o fulano eu só falava uma vez e ele me obedecia na hora". Putz!! É muito chato isso.

E ainda tem uma tia que nunca teve filhos, mas trabalhou muitos anos tomando conta de criança. Nossa... aí complica. Ela fala assim: "Eu nunca vi poste fazer xixi no cachorro". Uma vez disse cuidadosamente para ela que uma coisa é cuidar do filho dos outros (inexplicavelmente eles parecem se comportar melhor com outras pessoas do que com os pais) e outra coisa é o próprio filho.

Essa tia vira e mexe me passa mensagem pelo celular, no sábado, para que eu ligue a tv na hora da Super Nanny. Eu acho super válido, acho mesmo que o programa sempre tem dicas muito legais. Mas nem sempre na dinâmica da nossa vida dá para colocar tudo em prática.

Meu filho é uma bênção! Um menino alegre, brincalhão, cheio de vida e que traz mais vida pra minha vida. Mas não dá para eu fingir que a maternidade é um conto de fadas. Estas dificuldades existem e nem sempre a gente sabe como lidar, né?

Talvez muitas pessoas passem por essa minha angústia hoje em dia, mas é difícil admitir. Tenho a impressão de que educar filhos antigamente parecia mais simples. Seja como for, vou prosseguir me esforçando para fazer o melhor possível. Ainda estou na busca pela dose correta, pelo que vai funcionar de fato com ele. Tenho esperança de que meu filho, a medida que cresça um pouco mais, entenda melhor as coisas e se torne uma criança um pouco mais tranquila.

 

Este texto foi enviado por uma leitora e editado para a coluna  Mães AnônimasAgradecemos nossa leitora pelo seu depoimento.

Sobre se meter em programas infantis que não dão certo

Sobre se meter em programas infantis que não dão certo

Seu filho poderá ser feliz

Seu filho poderá ser feliz