Quero muito um segundo filho mas não tenho certeza se é a coisa certa para a minha vida agora

Quero muito um segundo filho mas não tenho certeza se é a coisa certa para a minha vida agora

Faz 2 dias que tirei meu DIU. Coloquei depois que a minha filha nasceu, há quase 2 anos. Nunca fui muito favorável à idéia de um corpo estranho me habitando, mas como estava amamentando, quis evitar hormônios e coisas mais “artificiais”. E o DIU foi ficando lá, mas eu sempre me senti incomodada com ele.

Quando minha filha estava com uns 9 - 10 meses, já começou a me dar vontade de ter o segundo filho. Mas sabia que não fazia o menor sentido, nem meu corpo estava pronto. Meu marido brincava dizendo que o que eu queria era parir nossa filha de novo. E é verdade. Minha gravidez e parto foram tão prazerosos que eu sempre senti vontade de viver tudo outra vez.

 Só que com o tempo a maternidade foi me tomando e muitas áreas da minha vida acabaram caindo numa espécie de limbo ou desatenção. Trabalho virou mera rotina e o casamento sofreu demais. Logo nós, um casal super unido que quase não brigava, passamos a discutir muito e nos afastamos bastante.  Não é fácil reequilibrar a relação.

 Minha filha passou mesmo a ser o centro da minha vida e, de certa forma, eu da dela. Embora vá a escolinha desde muito cedo, ela tem uma super dependência de mim e há certas coisas que ninguém mais pode fazer: colocá-la para dormir, por exemplo. Já parei de amamentar há alguns meses, mas é engraçado como criamos um ritual de carinho, afago, colo e parece que ambas precisamos disso para finalizarmos cada dia. Às vezes fico mais de 1 hora com ela no quarto até ela pegar no sono, muitas vezes eu quase durmo, mas eu acho esse nosso chamego uma delícia.

Nesse contexto, como encaixar um segundo filho? Sei que existem outros aspectos da minha vida que estão precisando de cuidado e que uma filha só já está me dando muito trabalho. Fico me perguntando como vou conseguir dar atenção para duas crianças? Como vou amamentar e colocar para dormir ao mesmo tempo? Como vou segurar minha filha quando estiver com um barrigão? Ah... e ainda tem meu marido, ele também precisa de atenção, também tem que entrar nessa conta...  E eu? Quando vou dormir de novo?!

Estas questões todas passam pela minha cabeça e sei que muitos diriam que se é assim melhor parar por aqui, mas como fica o DESEJO de ter mais um? O desejo de ver minha filha com um irmão ou uma irmã? Um companheiro para toda vida, que esteja lá até quando a gente, seus pais,  já tivermos ido?  Eu sou filha única, e no meu caso, me faz falta alguém para reclamar, dividir, brigar.

 É isso aí,  é nesse momento que estou. Estou me perguntando se arrisco tudo agora ou se desisto. Infelizmente, para mim não dá para esperar muito mais pois já estou com 37 anos. Ter decidido retirar o DIU foi o primeiro passo, mas por enquanto ainda não tive coragem de ir além disso.

 

Este texto foi enviado por uma leitora e editado para a coluna  Mães AnônimasAgradecemos nossa leitora pelo seu depoimento.

Uma carta para pais e mães de uma UTI Neonatal

Uma carta para pais e mães de uma UTI Neonatal

22 regras da Pixar para contar histórias fenômenais

22 regras da Pixar para contar histórias fenômenais