Ensinei meus filhos a arrumarem a casa

Ensinei meus filhos a arrumarem a casa

Alguém pra limpar a sua casa não é tarefa tão fácil aqui nos Estados Unidos. Se você conseguir, tem que estar disposta a pagar pelo menos 20 dólares por hora. Nesta região de Nova York onde eu moro, as casas são relativamente grandes, então é preciso desembolsar no mínimo 160 dólares por 8 horas de trabalho de uma faxineira. 

O problema que não é uma “faxina brasileira”, dessas de arrastar tudo e jogar água no piso. Na verdade é um dia que alguém passou produtos de limpeza na cozinha, aspirou sua casa, inclusive o banheiro (aqui não se joga água nos banheiros, não existe ralo), usou um espanador nos móveis, limpou o chão com um rodo aonde o pano é como se fosse um grande absorvente descartável.  Mesmo assim eu tinha esta pessoa semanalmente aqui, mas ela engravidou e teve que sair sem data pra voltar, porque como era seu segundo filho, ela queria se dedicar à família.

O tempo foi passando e eu assumi a limpeza e uma postura de tentar manter a casa limpa. Mas com dois filhos de 12 e 13 anos de idade entrando na adolescência isso não era uma tarefa fácil. Passava o dia arrumando, colocando as coisas no lugar e a noite lavando roupa.  Até que um dia eu decidi dividir esta carga com eles. 

Arregacei as mangas e fiz uma coisa de cada vez. Um dia parei tudo pra ensiná-los como lavar o próprio banheiro. Aqui os produtos de limpeza são excelentes, com pouco esforço, você desinfeta tudo com lenços umedecidos específicos e até mesmo o produto para limpar dentro do vaso sanitário é descartável. Ensinei também a separarem a roupa suja. São 3 sacos, um para meias, outro para roupas brancas e outro para roupas coloridas/escuras. O resultado foi ótimo, eles aprenderam e pensei comigo mesmo, por que não fiz isso antes?

O próximo passo foi ensiná-los a usar a máquina de lavar e secar e deu tudo certo. Depois ensinei a eles a arrumar suas próprias camas. Num outro dia, como colocar o lixo na porta de casa obedecendo o calendário da semana (para o lixo normal, para o reciclado e para os jornais). E também como aspirar a casa, especificamente o sofá onde eles gostam de comer pipoca para assistir TV mas agora sem a preocupação com as que caem (aquele dia foi legal!). E ainda separei um tempo para as lições culinárias, o cardápio inicial não teve muitas variações: omeletes, ovo frito e ovo mexido. 

Durante este tempo de “treinamento” dos meus filhos é claro que não pude evitar a comparação: esta minha postura muito provavelmente não aconteceria no Brasil. Ok, alguém vai dizer que aqui onde estou as coisas (a começar pelo material de limpeza) são mais fáceis, mas não é só isso. A cultura é outra, estamos (mal) acostumados a sermos sempre servidos. Ao invés de ensinarmos os nossos filhos a fazer,  acabamos ensinando os nossos filhos a como mandar, como delegar a outro (babá, empregada, avó e nós mesmas) o que precisam. Afinal de contas, qual o problema de uma criança de 8 anos pegar um copo d’água na cozinha ao invés de pedir? Esperar que no Brasil nossos filhos ajudem nas tarefas de casa, estando eles cercados por empregadas, é como plantar laranja e querer colher maçã. A semente está errada!

Parar alguns sábados para ensinar estas tarefas que num instante alguém poderia fazer não é fácil. Vê-los fazendo sem a excelência que eu faria, também não é fácil. Ensinar gasta tempo. Continuo insistindo nestas lições aqui em casa, sempre num período que não interfira no estudo deles. Eu diria que é mais do que “cada um tem que fazer a sua parte”, é uma lição pra vida. Não sabemos o dia de amanhã, mas quando chegar a hora, eles estarão um pouquinho mais preparados a respeito das obrigações dentro de uma casa, estando eles numa universidade, numa proposta de trabalho longe daqui ou casados… minhas noras vão me agradecer.

 

Este texto foi enviado por uma leitora e editado para a coluna Mães Anônimas. Agradecemos nossa leitora pelo seu depoimento.

Procurando um programa infantil? Tire a mão do bolso e coloque no coração

Procurando um programa infantil? Tire a mão do bolso e coloque no coração

Meu filho francês faz manha sim (ou por que aquele livro é uma insensatez)

Meu filho francês faz manha sim (ou por que aquele livro é uma insensatez)