Aconteceu comigo: dois anos escrevendo um blog!

Aconteceu comigo: dois anos escrevendo um blog!

Dois anos de blog. Nem acredito. Uma vez li que a grande maioria dos blogs acaba no seu primeiro ano de existência, então ter um blog bem visitado por dois anos é motivo para considerar missão cumprida, hein?

A ideia inicial era fazer um blog sincero. Um encontro virtual de mulheres, que como eu eram simplesmente loucas pelos seus filhos, mas estavam rodando a baiana para conseguir dar conta do recado. Eu achava impressionante como era difícil encontrar mães dispostas a discutir seus desafios com delicadeza e bom humor. Parecia que estava sendo fácil para todo mundo, menos para mim e para a Graziela, uma amiga minha, com quem eu trocava emails abrindo o coração e/ou me descabelando.

Eu acho que tem uma fase, pelo menos no meu caso pessoal foi assim, bem punk na maternidade que é depois do estágio do deslumbramento. É a fase que você, a mulher que amou aquelas crianças enlouquecidamente desde o momento em que deu positivo no teste de farmácia, se dá conta de que não é a Mulher Maravilha. 

Você percebe que mesmo amando muito, cansa pra caramba ser mãe. Você se dá conta de que não é possível controlar tudo, que você você vai cometer erros, que você vai ter medos, que você vai querer sumir, que você não vai saber mais quem você é. A fase de acertar as contas entre quem você era, a mãe que você virou e a nova mulher que tem que nascer. 

E bom, se tem uma coisa que esse blog fez por mim, foi me ajudar nesse processo. Sou grata à todas as leitoras que lêem e comentam nossos textos, que escrevem emails lindos, que compartilham os posts. Nesses dois anos, eu não só aprendi horrores sobre a vida e sobre o que eu quero fazer da minha vida, como percebi que eu sou a mãe mais normal do mundo. Cometo erros, mas sem modéstia nenhuma, acerto várias também. O maior dos acertos, e o que provavelmente faz também as coisas serem mais trabalhosas: sou eu que estou aqui. Parece óbvio, mas não é, eu sou daquelas mães que vestem a camisa. Sei que nunca vou me arrepender de não ter estado com os meus filhos quando eles eram pequenos.

Além desse aprendizado todo, por causa do blog eu encontrei um trabalho novo, escrevi um livro (sim, aguardem!), fiz novos amigos e resgatei velhas amizades. Sou grata à minha coragem de ter levado a ideia adiante e me metido em um mundo totalmente desconhecido para mim. (Pausa para um conselho de amiga: levem suas ideias à sério, mesmo que elas não dêem certo, coisas maravilhosas podem acontecer, a coragem atrai a sorte).

Eu também quero agradecer imensamente à Fabiana, que hoje em dia trabalha muito mais para o Tudo Sobre Minha Mãe do que eu mesma. Se não fosse a determinação dela, acho que muito provavelmente este blog não estaria hoje fazendo dois anos. 

Bom, e para finalizar queria te pedir um presente de aniversário de blog. Se você que está lendo esse texto, é uma dessas pessoas que eu citei acima, uma dessas pessoas que um dia entrou no Tudo Sobre Minha Mãe e se sentiu acolhida, se um texto nosso alguma vez deu uma luz na sua vida, fez você rir de si mesma,  gaste dois minutinhos a mais com a gente e nos dê um presente de aniversário: marque uma amiga na nossa página no Facebook, mande um inbox com um link do blog, envie um email com um texto que você gosta, apresente nosso blog para alguém. Aqui neste link você encontra uma seleção dos nossos textos mais populares. 

Assim como foi para nós um enorme alívio saber que vocês existem, alguém pode estar precisando saber que nós existimos.

Sim, nós. Esta comunidade de mães gente fina, elegantes e sinceras. 

Um super abraço,

Camila

 

Camila Furtado mora na Alemanha e é mãe da Maria, de 6 anos e do Gael de 3.  Agora ela vai dormir, porque se tem outra coisa que ela aprendeu sobre blog, é que ter um blog faz a pessoa dormir menos ainda.

Um vídeo que mostra porque uma mãe não consegue fazer nada

Um vídeo que mostra porque uma mãe não consegue fazer nada

Eu apanhava do meu ex-marido mas minha filha não vai repetir esta história

Eu apanhava do meu ex-marido mas minha filha não vai repetir esta história