Se você pudesse não trabalhar, você trabalharia?

Se você pudesse não trabalhar, você trabalharia?

Cena do Filme "I Don'T KnoW HOW SHE DOES IT" baseado no Livro HOMÔNIMO de Allison Pearson. O LiVRO É sobre a vida doida de uma mãe que está fazendo uma carreira no mercado Financeiro. Leitura Fácil e divertida.

Cena do Filme "I Don'T KnoW HOW SHE DOES IT" baseado no Livro HOMÔNIMO de Allison Pearson. O LiVRO É sobre a vida doida de uma mãe que está fazendo uma carreira no mercado Financeiro. Leitura Fácil e divertida.

Vou te contar a história de uma amiga minha: o marido dela trabalha, eles não são ricos mas ele ganha bem o suficiente para a família ter uma vida bastante confortável. Apesar de não trabalhar minha amiga contribui com o orçamento da família porque herdou um apartamento dos pais, daqueles que é possível alugar bem e fácil. A renda proveniente do imóvel não é uma fortuna, mas deixa a situação financeira da sua família mais tranquila ainda. É possível fazer viagens, jantar fora, ter coisas bacanas. Sem trabalhar fora e com as duas filhas no jardim de infância, minha amiga tem tempo para fazer ginástica, cuidar da casa e tentar com tranquilidade aquela receita nova que viu na internet ontem. E o mais importante de tudo: ela tem tempo e energia para curtir as filhas pequenas.

Para muitas pessoas, parece uma situação ideal, não é verdade? Minha amiga, contudo, que está bem longe de ser uma madame, que sempre trabalhou e foi relativamente bem sucedida nas suas empreitadas, anda se mostrando meio reticente em relação a sua vida.

Não que ela esteja entediada porque não tenha o que fazer. Veja bem, ela é mãe de uma menina de 2 anos e outra de 5 anos. E aqui na Europa, onde nós moramos, nem famílias ricas contam com ajuda de empregados domésticos e babás no mesmo estilo do Brasil. Ou seja: apesar de ter mais tempo do que mães que trabalham fora, ela tem definitivamente muito o que fazer. 

Bem além da questão financeira, seu questionamento tem dois aspectos: de um lado ela sente falta do "mundo do trabalho“. Desafios, colegas, compromissos - usando suas próprias palavras: "do mundo real“ e não do compromisso de ir para a aula de yoga toda terça e quinta.  Por um outro lado,  acho que minha amiga que sempre foi do tipo "gente que faz“, está começando a ter crises de identidade e auto estima toda vez que tem que explicar para alguém que atualmente "não faz nada“. 

Outra coisa que ela reclama é que sente que pelo fato de não trabalhar,  tem muito pouca ajuda do marido no "operacional“ das meninas. Afinal, se enquanto o seu marido trabalhava você foi correr de manhã, depois leu o jornal e à tarde cozinhou o jantar, está claro quem é que vai dar banho nas crianças hoje à noite, né?   

E agora fica a pergunta: se você não está necessariamente correndo atrás de uma carreira que você ama e não precisa do dinheiro: vale à pena trabalhar quando seus filhos são pequenos? O que aconteceria com a minha amiga se ela voltasse a trabalhar? 

Eu imagino que em um primeiro momento ela iria se sentir mais feliz. Mais viva e dona de si mesma outra vez. Iria receber input intelectual, conhecer pessoas, entrar em novos mundos e ambientes. Ela iria ter que se arrumar bonitona mais vezes. A cabeça dela iria viajar para muito além da maternidade. O poder financeiro da família iria aumentar mais ainda. 

Mas é preciso colocar outros fatores na balança também.  Atualmente, o tempo e a energia que outras mães estão investindo no trabalho, minha amiga está investindo na família. A casa está sempre cheia de amigos, ela está engajada como voluntária no jardim de infância das meninas, o marido vira e mexe é surpreendido com alguma surpresinha romântica, ela está se tornando uma expert de cozinha natural. É uma vida boa, sem muito stress. 

Se ela voltasse a trabalhar, as coisas iriam ficar mais corridas.  Afirmo isso com conhecimento de causa: na vida de quem trabalha, tem filhos pequenos e não tem babá nem empregada, os minutos são contados.

É um luxo enorme poder abrir mão de uma pessoa trabalhando fora e ter essa pessoa trabalhando pela casa, pelo bem estar da família. Mas talvez quem menos se beneficie deste luxo seja a própria pessoa que está em casa. Trabalho não é só ganha-pão. Trabalho é fonte de realização e nos dá uma posição, uma identidade na sociedade. 

Quem fica em casa pode até - se organizando muito - ter tempo para ir na aula de yoga. Mas vai precisar de muita paz de espírito para lutar com os fantasmas interiores que irão aparecer ao longo do caminho.

O que você faria se fosse minha amiga? E mais importante ainda: o que você faz sendo você?

 

Camila Furtado é mãe de Maria de 6 anos e Gael de 3. Ela deu pulos de alegria quando voltou a trabalhar. Mas todos os dias ela se dá conta da falta que faz em casa e se pergunta: vale à pena?

Um passeio com gêmeas e uma criança de dois anos no inverno

Um passeio com gêmeas e uma criança de dois anos no inverno

10 dicas para pais adotivos (pela perspectiva de uma filha adotada)

10 dicas para pais adotivos (pela perspectiva de uma filha adotada)