Meu casamento desandou depois que nosso filho nasceu

Meu casamento desandou depois que nosso filho nasceu

Eu e meu marido sempre nos divertimos muito, curtíamos bastante nossa vida de casal. Mas sempre fomos muito diferentes. Muito mesmo. A ponto dos amigos nos perguntarem "como é que dá certo?". Ele é mais quieto, caseiro, certinho, controlado e pensa muito antes de agir. Eu sempre fui meio "porra-louca", agitada, rueira, independente, impulsiva. Mas sempre houve admiração um pelo outro - o que eu considero ser a base do amor - e esta era a minha explicação para "dar certo". 

Estamos juntos há 11 anos, sendo 6 morando sob o mesmo teto. Casamos oficialmente em 2011 e meu marido não pensava em ter filhos. Ele achava que a vida do casal é sempre anulada em função das crianças (os pais dele fizeram isso). Conversamos e engravidei aos 35 anos. Eu sonhava com uma linda família de comercial de margarina. Achava que o bebê ia nos unir ainda mais. Mas não. Aconteceu exatamente o contrário

Eu e meu marido, agora, brigamos mais do que tudo. As divergências entre nós, que antes eram levadas na ginga, no jeitinho de ceder daqui e dali, se transfomaram em brigas homéricas, com gritaria e ofensas. O fato é que percebi que as diferenças entre um casal podem acabar com um casamento, já que na hora de criar um filho, ninguém quer ceder. Os dois acham que o jeito de cada um é que é o melhor, o mais correto, o mais saudável para o filho. 

Aqui em casa eu sou mais desencanada e liberal, mas isso não significa que sou negligente. Pelo contrario. Sou bastante dedicada e atenciosa, mas sem frescuras. Já o meu marido é mais exagerado nos cuidados com nosso filho. Ele já tem 1 ano e 7 meses, mas para o meu marido tudo faz mal, é perigoso ou arriscado! O vento, o sol, a chuva, a areia da praia, o banho no chuveiro... Fico chateada porque como eu sou menos encucada, ele vive me julgando como uma mãe "ruim", que não cuida com o devido zelo.

E o pior: a família dele também age de forma exagerada em relação aos cuidados com o bebê. Eu entendo que trata-se de muito amor envolvido e que tem muito pai e avós que não estão nem aí. Mas todo extremo é ruim. Nossas famílias até romperam depois do nascimento do bebê (pois há um sentimento de posse e competição por parte da família do meu marido. Eles não sabem "dividir" o neto).

E meu marido concorda com tudo o que a mãe dele diz e aconselha. Ela exerce muita influência sobre ele, que nunca fica do meu lado. A minha sogra se orgulha de que os 4 filhos dela não tiveram nenhuma cicatriz na infância, pois ela cuidava muito bem deles! Pois eu já acho que eles foram criados em redomas, sufocados, sem poder se aventurar um pouquinho que fosse... E o meu marido quer que a gente crie o nosso filho da mesma forma mas eu não acho que seja por aí! 

Apesar das milhares e milhares de conversas pra fazê-lo enxergar que eu sou a mãe, que eu quero o melhor para o nosso filho mas sem exageros, não adianta. Ele não concorda com meu jeito de criar e concorda com o da mãe dele.... E isso gera mais e mais brigas. Infelizmente tenho vivido este inferno desde o nascimento do meu filho. É muito triste pensar que a minha maior alegria (o meu bebê) é o motivo também de tanta infelicidade conjugal... O pior é que tudo vai se repetir com o nascimento do nosso outro filho. Sim, estou grávida. Muito feliz por ser mãe novamente. Mas sinceramente não sei se meu casamento vai resistir assim.

Este texto foi enviado por uma leitora e editado para a coluna Mães Anônimas. Agradecemos nossa leitora pelo seu depoimento.

7 perguntas para a juíza Andrea Pachá: uma mediadora de conflitos familiares

7 perguntas para a juíza Andrea Pachá: uma mediadora de conflitos familiares

A turma que não "se adaptou" a ter uma aluna negra: uma denúncia de racismo!

A turma que não "se adaptou" a ter uma aluna negra: uma denúncia de racismo!