Uma resposta aos comentários do texto "A tristeza que dá sentir alívio de não morar no Brasil"

Uma resposta aos comentários do texto "A tristeza que dá sentir alívio de não morar no Brasil"

Nas últimos dos dias, recebemos no blog centenas de comentários sobre o texto "A tristeza que dá sentir alívio em não morar no Brasil".  Alguns produtivos, outros lamentáveis. Faz parte do jogo democrático (e sórdido) que é a internet. 

Na impossibilidade de responder a todos os comentários, aqui vão algumas considerações:

Talvez eu não tenha sido muito clara, mas minha vida era muito confortável no Brasil. Eu não fugi do Brasil, foi uma opção pessoal, por estar formando uma família com cidadão estrangeiro. Embora tenha vindo por vontade própria, passei anos duríssimos tentando aprender a língua e a me adaptar a uma cultura e um clima tão diferentes do meu. 

Morar longe, pra sempre, de todas as suas referências sociais e das pessoas que você ama não é necessariamente tirar um bilhete premiado na loteria - pelo menos para mim não foi, pode ser muito duro também.

Muitas vezes cogitamos voltar para o Brasil.  Além da saudade que citei no texto, criar os filhos longe da família é difícil logisticamente e doído emocionalmente.

Eu espero que o Brasil não se torne inviável, afinal minha família e muitos amigos moram no Brasil. Me alegro e me emociono ao ver os brasileiros lutando pelos seus direitos. O ponto do texto tampouco era exaltar a Alemanha, não existe um lugar perfeito no mundo, todos os lugares têm seus problemas e suas vantagens, e temos que escolher, se pudermos, qual é a melhor opção para nós. 

Quem tem filhos pequenos e está vivendo fora do Brasil, sabe como é difícil pesar os prós e os contras de viver no exterior e era para essas pessoas que meu texto se dirigia inicialmente. Como expatriado, em algum momento (ou momentos) da sua vida você tem que se confrontar com a pergunta: será que eu volto? E é muito triste ter receio de voltar para o seu país, ainda mais quando seu país é o Brasil - um país que você ama.

Agradeço a visita ao blog e os comentários, inclusive aqueles que discordam da minha opinião mas souberam colocar seus pontos de vista com educação.

 

Leite materno para prematuros: uma gota salva vidas

Leite materno para prematuros: uma gota salva vidas

A tristeza que dá sentir alívio em não morar no Brasil

A tristeza que dá sentir alívio em não morar no Brasil