Ser uma mãe sem paciência me deixa culpada

Ser uma mãe sem paciência me deixa culpada

Meu signo é touro. Besteira ou não, a paciência não é uma das virtudes do taurino. Embora eu tente melhorar isto todos os dias, atualmente estou vivendo uma fase muito delicada e que está me exigindo uma paciência ainda maior do que eu imaginei precisar. 

Estou grávida de 9 meses do meu terceiro filho. O mais velho já está com 15 anos e é um bom garoto. Mas o segundo acabou de fazer 2 aninhos e está me deixando louca! Ele tem uma mania terrível de jogar tuuuudo no chão: almofadas, roupas do cesto, coisinhas que ficam em cima do criado-mudo... E eu, com este barrigão, não posso ficar me abaixando pra catar tudo. A casa fica uma bagunça! Ele sempre foi um bebê agitado, mas era doce e obediente. De uns tempos pra cá ele se transformou! Faz birra, diz 'não' pra tudo, bate, grita, chora por qualquer coisa, tem ataques de raiva, não me escuta, não me obedece.... Me desafia a cada minuto do dia!

Exemplo? Temos um guarda-roupa com 3 portas de correr, sendo uma delas de espelho. É super perigosa (aliás, vou substituir esse espelho por uma chapa de madeira amanhã). Meu filho, pra testar seus limites (e os meus!) gosta de ficar batendo com força neste espelho. Teve um dia que eu já tinha tirado ele da frente do tal espelho umas 5 vezes até gritar bem alto com ele: "eu já disse que aí você não pode mexer!” e o puxei pelo braço pra longe do espelho. Ele ficou tão assustado com a minha reação que começou a chorar, muito sentido. Me arrependi no mesmo instante e com lágrimas nos olhos (tentando não mostrar que eu também chorava), fui acalmando ele (e me acalmando) e explicando que ali era perigoso, que faz dodói, etc... Ele ficou inconsolável e a culpa me rondou por horas. Algum tempo depois, lá estava ele batendo no espelho de novo e me olhando...

Eu sei que há pelo menos dois fatores neste comportamento: a famosa crise dos 2 anos (“terrible twos") e a chegada do novo bebê. Eu imagino que não esteja sendo fácil pra ele. Mas eu também não estou conseguindo lidar com este comportamento tão difícil do meu pequenino que amo tanto. Perco a paciência muito fácil e quando vejo, já gritei de volta, já tomei coisas dele de forma truculenta e as vezes até dei um tapinha na mão. E ele chora mais ainda e muito mais alto. E depois de toda a tensão do momento, sou eu quem choro: arrependida e culpada por me sentir incapaz de ter auto-controle.

Eu e meu marido decidimos que eu largaria o emprego pra cuidar dos filhos enquanto eles fossem pequenos. Passo o dia inteirinho cuidando dele, brincando, etc. As vezes penso que esta rotina me faz ter menos paciência com ele do que se eu ficasse um período trabalhando fora. Mesmo assim eu sou muito convicta de que esta foi a melhor escolha pra nossos filhos. Será que não está sendo a melhor escolha para mim? Justamente por conta deste meu estresse constante? 

Definitivamente não estou sabendo lidar com essa crise dos dois anos e com as reações do meu filho em relação à chegada do irmão. E talvez ter um terceiro filho também esteja me deixando um tanto insegura. Eu realmente preciso arranjar mais paciência para lidar com a maternidade. Mas como? Como desenvolver esta paciência? Como vocês fazem? Algum exercício de meditação?  Algum mantra? Se trancar no banheiro por alguns minutos? Enfiar a cabeça no chuveiro antes de um acesso de chilique? Estou realmente interessada nas possibilidades para me reinventar como mãe de uma maneira melhor, mais paciente.

Esse texto foi enviado por uma leitora para a coluna Mães Anônimas. Agradecemos nossa leitora por confiar sua história ao nosso blog!

Ps- Vimos que nos comentários muitas leitoras estão falando sobre a fase da birra. Aqui vai um link de um texto explica bem as causas dos chiliques, das birras, da vontade de nos contradizer que muitas crianças tem por volta dos dois anos. Quem sabe entender a razão não ajuda? 

A ciência por trás do chilique

Lavar privada é o de menos

Lavar privada é o de menos

A mãe que escreveu um livro com as grandes sacadas que o filho dizia

A mãe que escreveu um livro com as grandes sacadas que o filho dizia