Os 5 tipos de criança pequena quando o assunto é comida

Os 5 tipos de criança pequena quando o assunto é comida

Meus dois sobrinhos, um de 2 anos e o outro de 9 meses, são verdadeiras draguinhas, no melhor dos sentidos. Comem bem, incluindo muitos legumes e verduras, não reclamam de nada, batem um pratão em qualquer refeição. Eu fico admirada com isso, pois meus filhos nunca foram de raspar o prato quando pequenos. Até hoje a minha filha de 4 anos ainda me dá um certo trabalhinho e, a despeito de ser certo ou errado, eu sigo insistindo nas garfadas com ela. 

Foi pensando nas diferenças entre cada criança pequena no quesito “refeições”, que eu achei incrível me deparar com estes tipos “catalogados” num texto do site americano Babble e resolvi fazer uma tradução livre, adaptada para o contexto brasileiro. Talvez você encontre o seu filho em um ou mais tipos. Mas isto não é um problema. Primeiro porque os tipos podem variar conforme a idade, o humor, o sono… e ainda vários tipos podem aparecer na mesma semana (alguém disse que é fácil criar filho?). Aqui estão eles:

1. O Artista Plástico

Para o artista, a comida não é feita para ser comida. Absolutamente e definitivamente, não. Em vez disso, a comida é o meio através do qual a criança artista se expressa, geralmente de forma abstrata. No café da manhã, ela pinta um auto-retrato com bananas e aveia. Na hora do almoço, ela esculpe o purê de batatas em um castelo ou uma estalactite. O artista vê a bandeja do cadeirão como a tela final, mas pode muito bem expressar sua criatividade a respeito do mundo sobre seus pais, sobre seu próprio rosto, ou ainda, sobre o cachorro da família.

2. O Resistente

Este prefere simplesmente não comer. Ele lacra os lábios muito bem, de modo que nenhuma migalha possa entrar. Paradoxalmente, a velocidade com que ele rejeita o que você oferece é inversamente proporcional à quantidade de tempo que você levou para cozinhar a comida. Ele prefere fazer qualquer outra coisa: olhar pela janela ou pelo canudinho do copo. O fato é que ele não estará comendo: nem as três refeições, nem os dois lanches ao longo do dia. Não importa se você usar algum truque para esconder no fundo do prato a carne que ele odeia e deixar por cima o suflê de cenoura que algum dia ele já provou. O resistente luta até o fim com a boquinha fechada.

3. O Encantador

O filho encantador faz qualquer coisa por um sorriso. Ele usa as refeições para ampliar sua conquista sobre os que vão se divertir com suas palhaçadas e não para alimentar o seu corpinho. Ele vai apontar para o teto e discursar por horas. Ele vai querer brincar de esconder o rosto e aparecer novamente infinitas vezes. E mais umas infinitas vezes vai querer bater palmas, fazer caretas e alguma coreografia de ballet com os braços. Ele vai te encarar, pegar uma colher de sopa e arremessá-la na parede, sorrindo o tempo todo. Ele vai cantar uma música animada da Galinha Pintadinha. E assim, ele tem a certeza de que suas estripulias são tudo o que ele precisa para crescer e aparecer.

4. O Colecionador

Os pais dos colecionadores são muitas vezes enganados pois acreditam que eles foram abençoados com filhos que comem tudo. “Uau! Ele está com fome hoje, ele deve realmente amar ervilhas!”. E então estes pais inocentes descobrem a verdade, e é de partir o coração: o colecionador de alimentos os guarda em qualquer lugar que seja possível. A comida estará embaixo dos cabelos, da roupa, entre as coxas, sob a almofada do cadeirão, escondida nas dobrinhas da pele ou simplesmente caída pelo chão. Basicamente, o “papá” foi parar em todos os lugares, menos na barriga.

5. O Aspirador Ambulante

O aspirador ambulante come tudo o que é colocado à sua frente. Tomates verdes fritos, feijão de corda, carne de caranguejo, sushi, creme de espinafre, ovos mexidos, tofu grelhado. O que quer que você faça, independente da forma e de como será servido, ele vai comer sem reclamar. O filho aspirador parece ser o sonho de todos os pais. Mas tem só um detalhe, como eles não recusam nada, é preciso aguentar o que você vai ver pela frente. Eles podem querer colocar o iogurte, o feijão e a melancia, tudo junto e misturado e, ainda assim, acharem uma delícia!

 

Fabiana Santos é jornalista, casada e mora em Washington-DC há 4 anos. É mãe de Felipe, de 10 anos, e de Alice, de 4 anos. Hoje em dia, o filho pré-adolescente anda mais esfomeado do que nunca e bem que se parece com um aspiradorzinho. Já Alice está quase sempre querendo encantar a platéia na maioria das refeições.

Por que algumas crianças se esforçam e outras desistem?

Por que algumas crianças se esforçam e outras desistem?

Um desastroso anúncio machista

Um desastroso anúncio machista