Faça um pote da gratidão: você vai ser mais feliz

Faça um pote da gratidão: você vai ser mais feliz

Me rendi ao pote da gratidão, já escutou falar sobre isso? Bom, nada mais é do que um pote para você colocar papeizinhos onde estão escrito coisas sobre as quais você está grato. Você deixa o pote bem à vista e sempre que quiser coloca nele um papelzinho. Peguei um pote qualquer de vidro, as crianças decoraram para mim, deixamos perto dele caneta e um bloco de papel, e assim colocamos em prática nossa nova experiência: pote de gratidão familiar 2016.

Se engana quem pensa que resolvi implementar essa ideia porque está na moda ser grato. Outro dia, li um artigo que dizia que várias pessoas famosas no Brasil não falam mais nas redes sociais “obrigado” e sim “gratidão” (É verdade? Nossa, sou tão fora de moda, ainda uso as mesmas gírias que usava há 10 anos quando deixei o Brasil, super desatualizada).

Na realidade, minha motivação é menos glamurosa. 2016 vai ser um ano decisivo para mim, muitos desafios à frente, muitos objetivos, estou na luta em muitos aspectos, mas neste processo, não quero perder de vista as coisas boas da minha vida. Principalmente porque a vida não é amanhã, quando isso ou aquilo acontecer, a vida é agora, sem isso ou sem aquilo, mas com mil outras coisas boas também. Quero aprender a apreciar mais o bom, e diminuir em mim essa constante sensação de que estão faltando muitas coisas.

Para mim, que tenho uma certa tendência ao ceticismo quando o tema é auto-ajuda, é encorajador ver pipocando por aí centenas de artigos científicos que demonstram o que o bom senso está cansado de saber: escolher focar em coisas positivas faz você se sentir melhor do que focar em coisas negativas. 

E enquanto algumas pessoas são naturalmente gratas e encantadas com a vida, para outras é necessário prática. Sim, porque é muito fácil se sentir grato por uma promoção no trabalho, por ter uma casa linda, pela saúde dos filhos ou por viver um casamento de sonhos. Mas pessoas realmente felizes são gratas pelas coisas mais simples possíveis, o pôr do sol, uma comida gostosa, a risada de um filho. 

O pote da gratidão é apenas uma estratégia para estimular no nosso cérebro o músculo do agradecimento. Existem muitas e cada um tem que escolher o que faz sentido para si mesmo. Para alguns pode ser uma oração matinal, há quem goste da ideia de escrever um diário enumerando benções na vida, outros podem apenas aumentar a frequência de um sincero obrigado no trato com as pessoas. O importante é ter em mente que a gratidão precisa e deve ser estimulada, assim como você vai na academia para treinar o corpitcho, exercite o cérebro para ter pensamentos mais legais. 

Eu fui na ideia do pote porque era algo que eu podia fazer junto com as crianças. Estou convencida de que este é um bom caminho, não só para mim, mas eles também.  É tão mais fácil aprender as coisas quando somos pequenos e quero que meus filhos cresçam sabendo apreciar o que têm. Não porque é bacana, porque pega bem, mas porque a gratidão tem o poder de fazer as pessoas mais felizes. 

Quero que eles aprendam a valorizar seus relacionamentos com a família, com os bons amigos, com os professores dedicados. Que nos momentos difíceis, eles tenham habilidade para não perder o belo de vista. Que lutem pelos seus sonhos, sem esquecer de apreciar o caminho.  Que eles - muito importante -  aprendam a usar a força poderosa do pensamento positivo nas suas vidas. Tudo isso - juram os os pesquisadores - são coisas que a gratidão pode trazer para as pessoas. E como dizem por aí que a melhor maneira de ensinar os filhos é dando o exemplo, estou empenhada em abrir meus próprios olhos para as pequenas dádivas da vida.

Camila Furtado mora na Alemanha e é mãe da Maria de 6 anos e do Gael de 4. Ela está encantada com as coisas maravilhosas que escuta dos filhos quando antes de escrever um papelzinho, pergunta: "O que vocês querem agradecer hoje?"

O que faz uma festa de aniversário de criança especial não é quanto você gasta nela

O que faz uma festa de aniversário de criança especial não é quanto você gasta nela

Seu filho não precisa ser um robô programado para sempre se comportar bem

Seu filho não precisa ser um robô programado para sempre se comportar bem