O dia que o Tim Maia morreu na Alemanha

O dia que o Tim Maia morreu na Alemanha

O legal de crescer em uma família binacional, além da chance de desenvolver o super cérebro bilingüe, é poder ter acesso já de berço, ao que há de melhor em duas culturas. Meus filhos nasceram na Alemanha, tem pai alemão, mas faço o que posso para que eles cresçam pegando as coisas legais do Brasil.

Música, por exemplo. Amo tanto música brasileira, que me dá até pena de quem não fala português e não consegue entender a vida através da poesia das nossas letras. Não desejo essa inaptidão para os meus filhos. Acho um verdadeiro luxo, por exemplo, poder em um momento de mudança ser confortado pelo Gil em “Tempo Rei”, quase como se estivéssemos rezando: “Tempo rei, ó tempo rei, transformai as velhas formas do viver. Ensinai-me ó pai, o que eu ainda não sei!”  Poxa, a impermanência da vida e a necessidade de ter fé em um futuro incerto, melhor explicado que isso não dá, né?

E para despertar nas crianças, algo que para mim pessoalmente é de enorme valor, escuto muita música brasileira com eles.  Aqui rola de tudo, Roberto Carlos, Zeca Pagodinho, Caetano e Gil, Jorge Ben Jor, Rita Lee, Velha Guarda da Portela… vou colocando tudo que eu gosto para eles e vendo o que faz sucesso com meu público mirim. Música com ritmo bom e letra fácil, que dá para aprender e repetir rápido, costuma triunfar por aqui.

Mas nada se compara ao sucesso que o Tim Maia faz com as crianças. Eles amam o suingue e o alto astral do síndico. Tim Maia é o que a gente escuta para espantar o cinza do inverno e ficar de bom humor. É o que toca na hora que eles tem que me ajudar a arrumar a cozinha. É nossa trilha sonora motivacional oficial. Músicas como “Chocolate”, “Eu e Você, Você e Eu”, “Do Leme ao Pontal”, “Não Quero Dinheiro” - são adoradas pelos meus filhos.

Eles gostam tanto que até já aprenderam alguns detalhes curiosos sobre o Tim. Sabem que ele faltava aos shows, era gordão, loucão, falava absurdos hilários… Mas foi só outro dia tomando banho com a Maria, (e escutando Tim Maia no banheiro) que me dei conta que eles ainda não sabiam que o Tim Maia tinha morrido. “Como assim morreu?” - me perguntou minha filha espantada. “Ué, Maria, morreu, faz tempo já… muito tempo, nem sei quando direito… Mas olha, tudo bem, a música dele está aí, trazendo alegria para a gente até hoje… olha a gente aqui escutando Tim Maia na banheira que legal! Sem drama, por favor.” Ela ficou com uma cara meio surpresa mas processou a morte do Tim Maia numa boa.

Só que eu estava muito enganada achando que a morte dele ia ficar por aí. Imagina que a Maria ia perder a chance de mostrar sua superioridade cultural para o irmão mais novo. No dia seguinte, na hora do jantar, enquanto estavam os dois na mesa, e eu lavando louça de costas para eles, escuto a Maria perguntar para o irmão toda malandra: “Gael, você acha que o Tim Maia está vivo ou morto?,  “Vivo, ué…” responde um Gael despreocupado. “Não, o Tim Maia está m-o-r-t-o !!! “ - responde a Maria com um sorrisinho nos lábios de quem sabe que está em poder de informação privilegiada. 30 segundos de silêncio se passam. Eu, ainda de costas para as crianças, escuto o Gael abrindo o berreiro. Viro para trás, e ele está com as mãos no rosto, a cara quase afundada no prato, os olhos cheios de lágrimas. Levei um susto enorme, achei que sei lá… ele tinha engolido um garfo enquanto eu lavava louça: “Filho, pelo amor de Deus - o que houve???? Porque você está chorando??” Ele levanta o rosto cheio de lágrimas e com a cara de dor mais dramática possível, responde em alemão: “Tim Maia ist tot! Tim Maia ist tot!” (Tim Maia está morto! Tim Maia está morto!). 

Não quero parecer louca, nem indiferente ao sofrimento do meu filho - até porque eu acho que mais do que nada, ele estava era cansado mesmo, e teria chorado até se soubesse que o Waldick Soriano estava morto -  mas ver aquele alemãozinho de 5 anos chorando porque descobriu que o Tim Maia estava morto, foi uma das melhores cenas que eu já presenciei na vida. 

 

Camila Furtado mora na Alemanha e é mãe da Maria de 7 anos e do Gael de 5 anos. Ela não quer causar tamanho drama em outras famílias brasileiras morando no exterior, mas fez  uma play list no Spotify com as músicas brasileiras preferidas dos seus filhos para quem estiver afim de escutar música boa em família. 

Playlist Tim Maia ist tot!

O que fazer (e não fazer) quando uma criança é ansiosa

O que fazer (e não fazer) quando uma criança é ansiosa

7 perguntas para a ex-empregada doméstica Joyce Fernandes: "Minha página é a pedra no sapato de muitas patroas".

7 perguntas para a ex-empregada doméstica Joyce Fernandes: "Minha página é a pedra no sapato de muitas patroas".