A maternidade é tão confusa - o resumo absolutamente sincero de uma mãe

A maternidade é tão confusa - o resumo absolutamente sincero de uma mãe

Você trabalha 24 horas por dia e lhe perguntam por que você não trabalha....

Seu filho literalmente comeu areia do parquinho ontem e ainda assim você não vai desistir de lhe dar uma refeição certinha que você considera apropriada para a saúde dele…

Você nunca está sozinha mas você sempre se sente um pouco solitária…

Você não tem tempo para curtir uma refeição há anos, e já está no lucro se conseguir comer restos...

Você está sempre ocupada e sempre entediada ao mesmo tempo...

Você se sente ressentida, exausta e fazendo sempre um trabalho árduo mas ao mesmo tempo é capaz de ficar de pernas para o ar de tanto amor...

Você fica olhando o seu filho dormir e o homem mais romântico que você já conheceu, aquele que você escolheu para passar o resto da vida aparece do nada coçando o próprio saco, enquanto lhe diz ‘agora é uma boa hora pra gente transar’.

Todo mundo está baixando fotos de suas famílias brincando e de mãos dadas em campos verdejantes ou em praias exuberantes enquanto você se trancou no banheiro com o chuveiro ligado para beber uma cerveja. E pode observar pelo espelho embaçado a floresta de pêlos que você deixou crescer em você por falta de depilação.

Você passa o dia inteiro querendo algum espaço das mesmas pessoas que você nunca quer deixar na vida...

É tudo tão confuso mas você jamais mudaria uma única coisa.

 

Este texto é uma tradução livre e adaptada do texto da blogueira australiana Constance Hall e você pode ler o original aqui.

Matou o peixe e foi ao cinema

Matou o peixe e foi ao cinema

Mães imperfeitas, uni-vos!

Mães imperfeitas, uni-vos!