7 perguntas para a jornalista Fernanda Galvão: ela largou os plantões da noticia para trabalhar mais perto dos filhos

7 perguntas para a jornalista Fernanda Galvão: ela largou os plantões da noticia para trabalhar mais perto dos filhos

Quantas de nós vivemos no dilema: filhos e carreira? Quantas estão realmente satisfeitas no trabalho e ao mesmo tempo sentindo uma falta imensa de estar mais perto dos filhos? Pois Fernanda Galvão fez o que tanta mãe por aí gostaria. Ela resolveu dar outro rumo para a vida profissional depois de 17 anos como jornalista. Aos 44 anos, a vontade de dar mais atenção para os filhos foi mais forte. Mãe de Gael, de 9 anos, e de Nina, de quase 2, ela deixou pra trás uma carreira como repórter do canal GloboNews e recentemente se embrenhou num investimento como empresária junto com a irmã. Ela administra a “Mãedoteca” - um lugar de lazer para filhos e relax para as mães. 

1. Depois que virou mãe você sentiu que suas prioridades mudaram?

Nunca vou deixar de ser jornalista e posso voltar a exercer a profissão em outro momento. Mas decidi ter mais autonomia sobre a minha rotina, o que no jornalismo é difícil porque a notícia não dá trégua: é plantão, hora extra, trabalho nos feriados. Já perdi muita apresentação de dia das mães e reunião de pais. Não poder administrar meu tempo minimamente para atender às demandas dos meus filhos me incomodava bastante.

2. Quando foi que você teve este estalo de mudar tudo? Porque demissão é algo de certa forma arrojado em tempos de crise. Qual foi a gota d’água?

Quando engravidei da minha segunda filha decidi que tinha chegado a hora do plano B. Resolvi que não queria passar de novo pela angústia de não colocar meu filho pra dormir. Meu horário de trabalho era pelo menos até às nove da noite e invariavelmente eu chegava em casa com Gael já dormindo. Sofria muito com isso.

3. A ideia de um comércio nos moldes que você criou foi baseado em quê? Qual é o diferencial desse lugar?

A ideia surgiu da minha necessidade de, como mãe, frequentar um lugar assim, que simplesmente não existia. Eu e minha irmã e sócia Melissa planejamos o negócio durante um ano inteiro antes de alugar o espaço e começar a obra. Fizemos pesquisas com grupos de mães e o resultado indicou que a demanda não era só nossa. Hoje o que mais ouvimos de quem nos visita é que sempre desejou um lugar assim também. Nosso diferencial é sermos uma brinquedoteca com uma equipe de recreadores carinhosos e orientados para entreter as crianças e deixar os pais descansarem. Os pais podem ficar no nosso café ou no salão de beleza que oferece manicure, massagem, escova e hidratação. Pensamos no conforto da mãe e não só da criança. Outro diferencial é um espaço para festas menores e mais baratas.

4. Me fale sobre frio na barriga. Como é começar do zero depois de tanto tempo exercendo uma profissão que você dominava?

Me apaixonei tanto pela ideia da Mãedoteca que não fiquei com medo. Tudo foi muito planejado e tive o apoio fundamental da minha família. Na verdade, sinto mais euforia que medo ao enfrentar situações novas. Faz bem sair da zona de conforto, ativa o cérebro. 

5. O que os seus filhos estão achando da sua nova vida? O que voce já fez com eles nesses últimos tempos que nunca conseguiu fazer antes?

Hoje posso levar os dois para o meu ambiente de trabalho e eles têm adorado. Não sei se eles perceberam que, apesar de eu estar trabalhando mais horas, estou presente nos momentos mais importantes. Pego na escola e na creche, e sinto um enorme prazer nisso porque não fazia antes. Coisas simples mas muito significativas pra mim.

6. Como é administrar um negócio que envolve tantas mães? Conta um pouco sobre essa experiência.

Estamos tendo uma ótima receptividade. As mães são muito atentas, dão sugestões interessantes e temos feito parcerias muito legais. Quando não há festas marcadas, aproveitamos o salão de festas para bate papos e palestras. Vai se criando uma sensação de pertencimento. Queremos que se sintam acolhidas e tenham a vida facilitada.

7. Qual a sua sugestão para alguém que quer fazer o que você fez?

Toda mãe reclama de falta de tempo, mas não só tempo com filhos. Acho que tempo pra nós mesmas é o maior desafio. A Mãedoteca é pra isso. A criança se diverte e a mãe faz a unha, toma um café, conversa com as amigas. Fiquei anos sem fazer unha porque não queria gastar no salão um tempo que podia estar com meu primeiro filho. Parece pouca coisa mas fazer unha toda semana com minha filha ao lado agora é um luxo! Toda mãe merece, é nosso lema. Sugestão pra quem quer mudar de vida? Eu diria que o mais importante é planejar muito pra diminuir os riscos e lembrar que qualquer escolha tem seu preço. Isso tem que ficar muito claro, saber do que estamos abrindo mão e pesar se vale a pena.

O Mãedoteca funciona em Brasília. Se quiser saber mais (quem sabe levar algo assim para a sua cidade?), o site delas é este aqui.

Ser mãe nos Estados Unidos: o que é bom, o que é ruim e o que é mais ou menos

Ser mãe nos Estados Unidos: o que é bom, o que é ruim e o que é mais ou menos

10 maneiras de ajudar uma criança ansiosa

10 maneiras de ajudar uma criança ansiosa