É um milagre: as crianças dormem no mesmo horário, sozinhas e a noite inteira!

É um milagre: as crianças dormem no mesmo horário, sozinhas e a noite inteira!

Eu conheço pouca gente que passou mais perrengue com o sono dos filhos do que eu. Me dá vontade de rir (e de chorar) quando me lembro de tudo que eu e meu marido fizemos para que as crianças dormissem.

Me diga o método, e eu te digo - eu tentei. Cama compartilhada, deixar dormir no peito, levar à exaustão, ler histórias, usar óleo de lavanda… em um momento de muito desespero até deixei chorar, o que graças à Deus meu coração mole só permitiu por pouquíssimo tempo. Mas ter apelado para o que hoje eu, pessoalmente, considero uma insanidade demonstra bem o quanto eu estava mesmo na lama no que diz respeito ao sono das crianças. 

Meus filhos foram durante anos, não apenas campeões mundiais na categoria “não dormir a noite inteira” como eram também terríveis para adormecer. Para te dar uma ideia, houve uma época, quando minha primogênita tinha uns 2-3 anos… que ela só dormia se alguém deitasse junto com ela, e ela ficasse acariciando a boca da pessoa. Sabe aqueles bebês que passam um paninho no nariz, que dormem fazendo carinho no ursinho? Pois então, minha filha desenvolveu a técnica de fazer a minha boca ou a do meu marido de “naninha”. Era a coisa mais surreal e irritante do mundo. Já o meu filho só dormia se fosse empurrado no carrinho, mas não era aquele balanço gostoso, devagarinho para embalar o sono. Não, ele gostava forte. Tinha que ser estilo montanha russa. Amigos e familiares que nos presenciaram empurrando o carrinho de bebê em velocidade máxima pela casa, tinham certeza que estávamos desenvolvendo (provavelmente por falta de sono nossa) alguma doença psicótica. 

Enfim, eu achava que com o tempo a coisa iria se normalizar, afinal eles eram bebês… Mas eles cresceram e apesar da situação ter melhorado muito, com 3 e 5 anos de idade, nem mãe de santo conseguia prever a que horas meus filhos iriam para cama. 

Só que hoje eu estou aqui, para orgulhosamente contar, que isso acabou. Faz quase dois anos, que salvo a rarisímas exceções (réveillon, por exemplo), meus filhos vão para cama todos os dias às 8 da noite, e dormem geralmente - pasmem! - até às 7 da manhã sem nenhuma interrupção. 

Eu até gostaria de escrever que eu descobri e apliquei um método incrível. Mas tudo aconteceu por força das circunstâncias. Há quase dois anos meu marido começou a trabalhar em outra cidade e eu virei, durante a semana, mãe solteira e que trabalha fora. Para dar conta do recado, eu tive que fazer ajustes radicais na nossa rotina. Eu, a Maria e o Gael viramos relóginhos. Não existe chance para nada que não seja super planejado na nossa vida. Para as coisas darem certo eu, que sempre fui meio solta no quesito tempo-espaço, preciso me ater a horários super rígidos, se não a gente não consegue fazer nada da vida.

Essa rotina repetitiva, de sempre acordar no mesmo horário, fazer as refeições, brincar, tomar banho, fazer dever de casa, enfim… TUDO no mesmo horário começou a colocar o relógio biológico das crianças nos eixos. 

É evidente que não foi da noite para o dia e que durante um tempo eles tentaram não ir para cama às 8 da noite. É claro que eu lia história e dava beijo de boa noite, e 5 minutos depois aparecia alguém com dor de barriga, sede, jurando que tinha bicho papão embaixo da cama. Mas eles encontravam na cozinha uma mulher exausta, que ainda tinha muita coisa para fazer e que estava com tolerância zero para enrolação. Tá com sede? Bebe água e volta para cama. Tá com dor de barriga? Dorme que passa. Tem bicho papão? Vamos lá checar e volta para cama. A grande diferença é que com o tempo, eles perceberam que eu não ia abrir exceções. A mamãe não era mais aquela molenga de antigamente, mamãe agora estava falando sério mesmo.

Eu não posso mais abrir exceções. Este horário entre 8 da noite e a hora que eu vou dormir, é o único horário do dia que eu tenho para mim - seja para resolver coisas, pagar contas, responder emails ou mesmo para descansar, ler um livro, ver televisão. É meu horário sagrado e eu não deixo mais as crianças entrarem nele.

Enfim, se hoje você perguntar para a mulher que tentou mil métodos o que funciona para fazer as crianças dormirem bem e no mesmo horário, a resposta é: estabelecer uma rotina rígida e ser consequente - não abrir exceções nunca.

Por mais chato e difícil que isso possa parecer, principalmente para pessoas pouco disciplinadas como eu, as crianças amam e funcionam super bem com um cotidiano estruturado. Meus filhos são crianças bem dormidas, bem humoradas e que têm energia para tudo. Mas quando o relógio bate as badaladas de 8 da noite, o corpo deles está tão condicionado a hora de dormir que eles viram abóbora na hora. Eu juro: tem dia que eles até pedem para ir dormir um pouco antes das 8. 

Aleluia. 

Camila Furtado mora na Alemanha e é mãe da Maria de 8 e do Gael de quase 6 anos de idade. Ela sabe que este texto é só mais um texto sobre o segredo infalível de como fazer as crianças dormirem, mas depois de anos reclamando de sono neste blog, ela não resistiu em dividir a boa notícia. 

6 regras não negociáveis para visitar um recém-nascido

6 regras não negociáveis para visitar um recém-nascido

Ter uma rede de apoio é fundamental para quem cria os filhos longe da família

Ter uma rede de apoio é fundamental para quem cria os filhos longe da família