Seu bebê mordeu meu filho e a gente precisa conversar

Seu bebê mordeu meu filho e a gente precisa conversar

Daniele e Tais (arquivo pessoal)

Daniele e Tais (arquivo pessoal)

Esta história apareceu na minha timeline e não teve como eu ignorar. Ainda mais nos dias de hoje em que existe tanta gente intolerante no mundo e ir na contra-mão dos intolerantes é maravilhoso e redentor! Era um post de uma mãe que estava procurando a mãe do menininho que tinha mordido o filho dela. Tudo aconteceu no último domingo, numa padaria em São Paulo, capital. Na confusão, ela não teve como falar com os pais da outra criança. E ela queria poder dizer que estava tudo bem e que essas coisas acontecem.

“Eu fiquei numa angústia absurda desde que voltei pra casa naquele dia. Parecia que tinha alguma coisa me empurrando para procurá-la”, explica Daniele Zebini, a mãe do Léo (o que foi mordido), de 1 ano e 4 meses. Daniele transita demais dentro do universo materno. Ela é jornalista e blogueira do De Repente Mães. Ela sabe bem que a situação de um filho morder outra criança pode acontecer nas melhores famílias, é uma fase, uma questão que muitas vezes foge do controle dos pais e o que é pior: deixa os pais da criança que morde extremamente angustiados e com a sensação de culpa!

Pois Daniele queria muito aliviar a barra da outra mãe. E como hoje em dia as conexões nas redes sociais são incríveis, o texto dela procurando a outra mãe chegou no outro dia até Tais Venturelli Silva, a mãe do Vicente, de 1 ano e 7 meses. Foi o marido da Taís que viu a postagem do texto da Daniele na página de um amigo. "Não acreditei! Me emocionei muito! Chorei muito!!!! Entrei em contato com ela imadiatamente", disse Tais, que é publicitária, mas desde que a mais velha de 4 anos nasceu, é mãe em tempo integral. 

"Foi horrível. Na hora que aconteceu fiquei completamente fora de mim. Briguei com meu filho, chorei horas. Passei um dia péssimo achando que a família do menino mordido estava odiando meu filho e a mim, preocupada se ele tinha se machucado muito. Achando que não compreenderiam que o Vicente é só um bebê", me disse Taís.

As duas se encontraram e descobriram que eram praticamente vizinhas! Tais chegou a revelar pra Daniele que pediu pra Nossa Senhora ir até ela e trazer o pedido dela de perdão. “Eu fiquei toda arrepiada com isso”, disse Daniele. “O Vicente é um menino lindo e carinhoso, só está naquela fase oral, de morder”, considera Daniele que tem ainda outro filho mais velho.

Daniele recebeu muitos elogios pelas redes sociais e escreveu um novo texto no blog dela contando sobre o encontro. E o que ela fala é muito importante: “…refleti sobre como o nosso mundo está doente. Uma mãe se colocar no lugar da outra, se preocupar com a outra, não deveria ser motivo de palmas. Somos todas mães, todas mulheres, todas conhecemos bem as dificuldades de criar seres humanos. Então, por que é tão difícil exercer a empatia e a sororidade? Por que nos julgamos tanto e nos ajudamos tão pouco?”

Tais levou flores e um lindo cartão. Daniele se comoveu. As duas se abraçaram e trocaram figurinhas. Uma amizade baseada na cumplicidade materna nasceu ali. "Nosso encontro foi um dos presentes mais lindos que a vida me deu!", se emociona Taís ao me falar sobre a nova amiga.

Dos 40 aos -40 graus: quando o frio é algo bem relativo

Dos 40 aos -40 graus: quando o frio é algo bem relativo

Skype é ótimo, mas fazer a criança interagir é uma questão de sorte

Skype é ótimo, mas fazer a criança interagir é uma questão de sorte