Como viajar com crianças de acordo com especialistas em turismo

Como viajar com crianças de acordo com especialistas em turismo

As estratégias específicas que você pode usar para ajudar as crianças a se divertirem fora de casa obviamente dependem de quantos anos elas têm: um bebê tem necessidades muito diferentes do que uma criança ou adolescente. Mas por mais velho que seu filho seja, faça uma pesquisa pré-viagem sobre atividades para as crianças em seu destino que você e sua família possam aproveitar. Um pouco de preparação vai economizar desgastes desnecessários.

Bebês:

As crianças de até 2 anos de idade são as mais fáceis de viajar em muitos aspectos, de acordo com Rainer Jenss, presidente e fundador da Family Travel Association, um grupo de agentes para viagens em família. "As crianças desta idade são portáteis", explica ele. "Você pode levá-los a qualquer lugar e mantê-los felizes, desde que você crie um ambiente confortável para eles e os mantenha em sua rotina.”

Amanda Norcross, editora da revista de férias online “Family Vacation Critic”, concorda que os horários são extremamente importantes para os bebês. "Se seu bebê está em um horário de comer ou dormir, tente fazer isso o máximo possível também nas férias e planeje seus dias de acordo com isso", disse ela.

Não deixe de levar os brinquedos, livros e garrafas favoritas do seu bebê enquanto estiver passeando e não o mantenha amarrado em um carrinho durante todo o dia. Dê ao seu bebê a oportunidade de caminhar e fazer algum exercício. Se o bebê ainda não está andando, ele ainda pode se esticar em um tapetinho, peça fundamental que não pode ser esquecido.

Crianças pequenas:

As crianças se divertem porque vão começar a se envolver nas diferentes atrações ao redor delas. “Os destinos ficam agradáveis ara elas explorarem”, explica Amanda. No entanto, ao criar seu itinerário, deixe bastante tempo para deixá-los liberar e reabastecer suas energias correndo por um gramado ou brincando na piscina do hotel.

Rainer Jenss também é fã de passar tempo em parques locais com crianças pequenas. "Quanto mais espaço aberto sua criança tiver para correr, mais feliz ela será", disse ele. Como bônus, é provável que você conheça os pais locais que podem aconselhá-los sobre outras atividades para sua criança na cidade e também lhe dar a dica de restaurantes para crianças onde você poderá jantar com mais tranquilidade.

Crianças em idade escolar:

A chave para manter as crianças de 5 anos ou mais envolvidas em uma viagem em família é envolvê-las no planejamento, mesmo que de uma maneira pequena, explica Rainer Jenss. "Quanto mais você capacitar as crianças dessa idade para escolher o que elas estão interessadas em fazer, seja ver um lugar bacana ou tentar surfar, mais engajadas estarão", disse ele.

Dica: Deixe seus filhos escolherem entre várias atividades, em vez de não dar nenhuma direção a elas. Em um destino de praia, por exemplo, as opções podem ser um passeio de mergulho ou uma excursão de pesca. Em um cenário urbano, compartilhe opções de passeios interessantes e deixe-os escolher o que mais lhes agrada.

Quando você está pesquisando passeios e atividades é sempre bom ler as resenhas online para saber como foram a experiência de outras famīlias com crianças. Eric Stoen, o fundador do site de viagens online Travel Babbo, disse que achar guias turísticos bacanas ajuda muito a manter seus filhos animados sobre onde eles estão. Um guia turístico capacitado pode ter um efeito profundo em seus filhos: o filho de Stoen, por exemplo, tornou-se um excelente desenhista por causa de um artista em Londres que guiou a família em um passeio de arte pela cidade. "Foi um tour que literalmente mudou sua vida", disse ele.

Adolescentes:

Amanda Norcross diz que a melhor maneira de manter os adolescentes engajados é fazer com que eles tomem posse no planejamento de uma parte de sua viagem. Ela sugere que eles escolham algumas atrações que eles estão interessados em ver e assim deixá-los programar um ou dois dias do itinerário.

Além disso, Rainer Jenss, pai de dois adolescentes, disse que os pais podem considerar dar aos adolescentes mais velhos a opção de passar uma ou duas horas explorando o destino por conta própria - talvez eles queiram verificar um certo bairro ou ir a um local específico. "Desde que você e seu filho se sintam seguros com o programa, ele ficará super empolgado por ter um tempo sozinho", disse ele.

Este texto é uma adaptação da publicação original em inglês no New York Times.

O que eu quero dizer pra quem está deixando o Brasil agora

O que eu quero dizer pra quem está deixando o Brasil agora

"As pessoas não têm que ter medo de pessoas como eu, com Síndrome de Down".

"As pessoas não têm que ter medo de pessoas como eu, com Síndrome de Down".