Vida de expatriada: a busca da sua nova identidade profissional

Vida de expatriada: a busca da sua nova identidade profissional

Vocês mudaram do Brasil, o maridão continua tocando a carreira no maior pique mas você virou uma versão expatriada praticante de yoga da sua bisavó - aquela dona de casa dos anos 20 que vivia com um bolo no forno e um paninho na mão esperando a família voltar para casa.

Seja lá qual for a sua história, seja porque seu marido foi transferido, ou porque você engravidou, ou porque seus filhos são pequenos ou simlesmente porque você optou por livre e espontânea vontade dar um tempo na carreira para se dedicar à família.  Independente da razão, se você está feliz com sua escolha, maravilha. Mas a maioria das mulheres, principalmente aquelas que tinham uma vida profissional estabelecida no Brasil, em algum momento começam a sentir falta de trabalhar. Mas e aí? Se já é complicado se reinserir profissionalmente num mercado de trabalho em que a gente conhecia e dominava… como é que faz para a se reinserir e se inventar em um novo país?

Essa semana nós entrevistamos a Ticiana Tucci, uma coach especializada a ajudar mulheres expatriadas a redefinirem sua identidade profissional depois da saída do Brasil. E com base na conversa com ela (veja o vídeo abaixo) e na experiência de um monte de amigas e de nós mesmas, reunimos 7 dicas para te ajudar nesta empreitada. E acredite: pode parece missão impossível, mas você vai conseguir. 

  1. Invista pesado em aprender o idioma local. Em alguns países e dependendo da sua área e atuação você poderá trabalhar em inglês, mas mesmo assim quanto melhor você falar a língua do país melhor para você. Arregace as mangas - estude, passe vergonha tentando falar com os locais, baixe apps, se inscreva em cursos. Encare o dragão do idioma de frente.
  2. Se abra para novos caminhos. Pode ser que você era advogada do Brasil, mas já estava meio de saco cheio. Ou pode ser que você até gostava, mas por alguma razão (convalidação do diploma, por exemplo), você não vai poder exercer a profissão no novo país. Existem muitas outras possibilidades de carreiras e trabalhos. Não é porque você era uma dentista fenomenal que você não possa virar uma empreendedora de sucesso, por exemplo. Uma pessoa pode ser muitas coisas durante a sua vida. 
  3. Sair da nossa zona de conforto é difícil mas é uma oportunidade incrível de autoconhecimento. Aproveite sua pausa laboral para reavaliar sua vida profissional. Pense nos seus pontos fortes, nas oportunidades de melhorias, nos movimentos de carreira realizados até o momento, nos ambientes e formas que você gosta mais de trabalhar e aos poucos vá definindo seu caminho de atuação. Uma trabalho de coach pode ajudar muito neste processo.
  4. Mantenha suas metas no seu radar pessoal e no radar da família. Muitas mulheres têm tendência a esquecer de si mesmas e deixar seus desejos e necessidades por último. Se você quer voltar a trabalhar, a vida familiar vai ter que se ajustar para que isso aconteça, isso tem que ser um tema e um objetivo da família. 
  5. Estipule uma rotina ou carga horária semanal para executar seu plano e dedique-se a ele. Seja para estudar, para procurar trabalho, para fazer uma especialização. Abra espaço para o seu plano e implemente uma rotina. 
  6. Mapeie suas conexões no Brasil e sua conexões locais. Existem alguém no Brasil que conhece alguém nesta cidade onde você mora?? E no novo lugar, a vizinha, uma mãe na escola, um amigo de uma amiga? Quem pode te apresentar alguém que abra caminhos, que dê dicas, que apresente pessoas?
  7. Desça do seu salto. Ok, você não é inexperiente, você tem um histórico profissional no Brasil, mas aqui por melhor que seja sua recolocação, você está recomeçando. São novas regras, novo idioma, nova cultura. Se abra para aprender, fuja um mindset rígido e se coloque em um  mindset  de aprendizado. Não há limites para quem quer de verdade aprender. 

As dicas são apenas para iniciar a discussão e tocar neste tema, que sabemos, é relevante para muitas mulheres que se mudaram com a família para outros país. Para realmente enriquecer as dicas e a discussão, seria legal saber de vocês:  você já passou ou está passando por essa experiência de ter que se reinventar profissionalmente fora do país? O que você aprendeu? Como foi esse processo para você? Compartilhe nos comentários a sua experiência e ajude outras mulheres/mães que estão passando isso agora. 

O desabafo de um pai solo: "Não fui criado para administrar uma casa"

O desabafo de um pai solo: "Não fui criado para administrar uma casa"

Um viva a minha vida imperfeita

Um viva a minha vida imperfeita