(Quase) todas as dúvidas sobre bilinguismo

(Quase) todas as dúvidas sobre bilinguismo

As crianças não ficam confusas quando ouvem duas línguas faladas em torno delas?

A resposta curta é não. As crianças são extremamente sensíveis às diferentes maneiras como as pessoas falam. Mesmo quando só escutam uma língua, muito rapidamente elas aprendem sobre as diferenças entre a forma como os homens e as mulheres falam, a diferença entre maneiras educadas ou não de falar, e assim por diante. Para as crianças, a situação bilíngue é apenas questão de uma outra diferença entre as pessoas!

Devemos começar a ensinar duas línguas desde cedo aos nossos filhos?

As coisas mais importantes no desenvolvimento da linguagem são a exposição e a necessidade. Da mesma maneira que a criança está exposta a uma língua a partir do momento em que nasce e vai sentir que precisa da linguagem para interagir com este mundo ao seu redor e vai aprender sobre isso, ela pode ser exposta a dois idiomas, entender que precisa se comunicar em duas línguas e também vai conseguir aprender.

Você quer dizer que se nossos filhos estiverem expostos a dois idiomas desde o nascimento, eles vão aprender melhor apenas por causa isso?

Não, mas as crianças podem fazer isso sem nenhuma dificuldade, e não existe nenhuma consequência ruim nisso. A parte mais difícil é ter certeza que ambos os idiomas estão suficientemente expostos e de forma natural. Na maioria das vezes, uma das duas línguas que você quer que os filhos aprendam será “a mais importante" de alguma forma. Mas o truque é tentar proporcionar o máximo de oportunidades para que eles utilizem a língua "menos importante”, de um jeito que não seja forçado nem artificial.

O que quer dizer uma língua "mais importante"?

O provável é que uma língua pareça mais importante para a criança pois ela é usada mais frequentemente do que a outra. Por exemplo, na casa de uma mulher americana e um homem turco que falam inglês um com o outro, as crianças vão perceber que o inglês é "mais importante”. Quando falamos de uma língua ser "mais importante" aqui, estamos falando somente sobre o ponto de vista das crianças! No entanto, muitos adultos são bilíngües "dominante" em uma das suas línguas. Mesmo que as diferenças entre as duas línguas sejam sutis, a maioria dos bilíngües se sentem um pouco mais a vontade numa língua que na outra.

Seria melhor começar a ensinar a segunda língua depois da criança ter um bom começo na primeira língua?

Não, definitivamente não, especialmente na situação em casa bilingue. Apresentar a segunda língua mais tarde é praticamente a garantia de fazer a criança pensar que ela é menos importante e não vale a pena o esforço. Por outro lado, na situação de estar numa outra cultura (digamos, o casal de coreanos que vive nos Estados Unidos), não há nenhum mal em deixar a exposição das crianças naturalmente e gradualmente começar com o inglês. Enquanto a família permanece nos EUA e as crianças vão para escolas americanas, não há risco delas  deixarem de aprender inglês. Na verdade, o problema mais comum com este tipo de situação é que às vezes a criança rejeita sua língua materna em nome da língua de fora.

Meu parceiro e eu falamos línguas diferentes. Devemos cada um falar para os nossos filhos apenas em nossa própria língua, se queremos que eles sejam bilíngues?

Muitos especialistas recomendam isso. A idéia é que a mamãe sempre fale sua própria língua com as crianças e o papai idem. Esta é um bom meio para uma casa bilíngue ser bem-sucedida, mas não é o único e às vezes isso pode dar errado. Um problema pode ser o equilíbrio. As crianças precisam ouvir muitas vezes ambas as línguas e em várias circunstâncias. Por isso é essencial achar outras fontes de exposição e outras formas de criar a sensação de necessidade. Os avós monolíngues podem ser úteis! Uma baby sitter, amigos, vídeos e fitas de história na outra língua. Tudo isso pode fazer uma grande diferença. Especialmente a exposição que envolve a interação com outras pessoas, não apenas a TV. Outro problema é manter a situação naturalmente. Se a criança sente que está sendo forçada a fazer algo estranho ou embaraçoso, provavelmente vão resistir. Regras explícitas como definir dias da semana para cada língua pode ser muito difícil de aplicar e pode criar uma atitude negativa. Ainda outro problema é a exclusão. Se um dos pais não fala a língua do outro, as crianças vão saber que cada vez que falarem a língua do pai, vão estar excluindo  a mãe da conversa. Isso pode tornar as crianças relutantes em falar uma das línguas dos pais quando ambos os pais estão presentes. Numa casa bilíngüe é mais fácil haver êxito se, pelo menos, ambos entenderem as duas línguas. Dessa forma, ninguém nunca é excluído de uma conversa familiar.

Meus filhos costumavam falar a nossa língua em casa muito bem, mas agora que eles estão indo para a escola, eles misturam as duas línguas o tempo todo. O que posso fazer?

Relaxe. A mistura é a linguagem padrão de todos que falam ambas as línguas. Isto não significa que as crianças vão esquecer um idioma e isso não significa que eles não vão saber a diferença entre os dois idiomas. Se você repreendê-los por estarem falando outra língua, pode criar uma atitude negativa sobre a língua e piorar as coisas. Em vez disso, naturalmente crie situações em que as crianças realmente precisem da língua materna: falar com os avós monolíngües novamente! Quando eles misturarem, pergunte como é aquela palavra na sua língua. Mesmo que eles venham a ter um outro idioma como sua linguagem dominante, eles ainda podem perfeitamente ser competentes para falar seu idioma.

Esta publicação é uma tradução do texto “Raising Bilingual Children”, escrito por Antonella Sorace e Bob Ladd.

A defesa por amamentar sem constrangimento tem que começar por você, mãe que amamenta

A defesa por amamentar sem constrangimento tem que começar por você, mãe que amamenta

Por que uma criança não precisa dividir sempre o brinquedo dela e isto não é egoísmo

Por que uma criança não precisa dividir sempre o brinquedo dela e isto não é egoísmo