Se você for sempre uma mãe helicóptero como eles irão fazer voos solos no futuro?

Se você for sempre uma mãe helicóptero como eles irão fazer voos solos no futuro?

fullsizeoutput_9b3d.jpeg

Até que ponto você é um “helicopter parent”, como eles chamam aqui nos Estados Unidos? Sim, pais e mães helicópteros são aqueles que literalmente rondam os filhos o tempo todo, tomando conta de tudo. 

Eu tenho pensado sobre esse assunto cada vez mais, agora que os meus filhos estão mais crescidos, sendo o mais velho já adolescente. Eu que sempre fiz questão de estar mega presente, tenho me reavaliado diariamente.

É claro que a cultura americana de deixar a criança se virar em muitas situações tem uma motivação prática: aos 18 anos, concluído o ensino na high school, a maioria dos jovens americanos, que vai fazer um curso superior, sai de casa para morar na faculdade. Então, a mentalidade dos pais é: o melhor é ir aprendendo desde cedo a se virar sozinho.

Eu não estou falando de deixar uma criança decidir as coisas por conta própria, nem muito menos deixar de acompanhar ou dar suporte nas coisas que uma criança precisa. Mas estou considerando afazeres proporcionais à idade, mini-responsabilidades, onde pouco a pouco uma criança vai ganhando auto-confiança. 

A foto que ilustra este texto é da bicicleta de uma amiguinha da minha filha. Ela tem 8 anos. Todos os dias - e olha que hoje a temperatura estava negativa, um frio de lascar - ela vai de bicicleta, estaciona, coloca o cadeado e entra na escola. Outros alunos também fazem isso. Mas ela é a menorzinha e hoje a observei. Ela faz isso com determinação e muito tranquilamente. Essa pequena independência dela, que para alguns pais pode soar absurda, eu tenho certeza que já faz diferença na vida dela em termos de ter mais autonomia. 

É claro que se a gente colocar um exemplo desses para o Brasil, muita gente vai dizer que por conta da criminalidade e tal, uma situação assim, de uma criança de 8 anos ir sozinha de bicicleta pra escola não faz o menor sentido, que é perigoso. É claro que eu até concordo com isso. 

Meu ponto aqui não é convencer famílias a deixar as crianças irem de bicicleta sozinhas para a escola. Mas o que a gente pode delegar às crianças? O que a gente acaba não fazendo porque tem quem faça por elas ou porque vai demandar um certo ajuste para ensinar e ver se funciona? 

Eu acho que, desde que obviamente ninguém atrapalhe o brincar e o tempo de criança ser criança, tornar os filhos mais comprometidos é uma excelente forma para que eles sejam adultos úteis no mundo. Vou citar alguns exemplos práticos que eu vejo e sigo por aqui: filhos serem responsáveis por colocar o lixo para o lixeiro recolher, filho mais velho ajudando o mais novo a tomar banho ou a fazer tarefa, ir com a mãe fazer compras e ajudar a carregar, arrumar e tirar a mesa... nossa, tem uma lista infindável de ações domésticas que a gente pode delegar. Sem contar algumas coisas que a gente pode ir testando.

Eu, por exemplo, outro dia, comecei a fazer uma coisa que a princípio parece bem pequena, mas eu reparei no quanto fez diferença pra minha filha de 7 anos. Eu a acompanho toda semana numa aula. A gente chega um pouco mais cedo e fica na sala de espera até a responsável aparecer para buscá-la. É num local térreo, do carro consigo ver a porta de entrada. Foi então que tive a ideia dela descer do carro sozinha, dar alguns bons passos sem atravessar rua e entrar no local sem que eu acompanhe. Ela vibrou de ir sozinha. Eu disse que precisava ir no mercado, coisa que eu realmente ia fazer. Eu vi do carro, pelo vitrô da sala de espera, o quanto ela estava se sentindo importante de estar sentada lá, aguardando por conta própria o seu compromisso. Claro que só fiz isso porque era seguro. Claro que eu não estou incentivando ninguém a deixar criança solta por aí. Veja bem, são resoluções calculadas. E assim, venho tentando deixar meu helicóptero estacionado sempre que tenho oportunidade. Para que em breve meus filhos estejam mais seguros em seus vôos solos. 

Fabiana Santos é jornalista, casada, mãe de Felipe, de 14 anos, e de Alice, de 7. Eles moram na região de Washington-DC. Se você gostou desse texto, talvez também vá gostar desse aqui.

Armar professor: uma ideia maluca importada dos Estados Unidos

Armar professor: uma ideia maluca importada dos Estados Unidos

A escola que vai ser aberta para apenas um aluno

A escola que vai ser aberta para apenas um aluno