Em que língua seus filhos sonham?

Em que língua seus filhos sonham?

Em que língua seus filhos sonham? Fiz esta pergunta para a minha filha de 8 anos. Tinha esta curiosidade. Ela nasceu no Brasil mas chegou nos Estados Unidos com 4 meses de idade. A resposta dela foi: “Eu sonho em inglês, mamãe, sempre.”


O português é a língua falada aqui em casa. Algo que não abro mão. Claro, existe a facilidade do pai também ser brasileiro. E ainda do meu filho mais velho, que morou seis anos no Brasil, também falar com bastante fluência o português. E junto a tudo isso, existe nela um enorme orgulho de ser brasileira (ela vive repetindo que vai morar no Brasil quando crescer).


O bilinguismo é uma questão que exige esforço dos pais. Já escrevi diversas vezes aqui no blog que a gente não pode desistir. Persistir para oferecer este presente de fazer um filho ser bilíngue é algo essencial pra mim.


Mas tem algo mais que venho aprendendo: a gente não pode “brigar” com a outra língua, que muito provavelmente é a primeira dos nossos filhos. Digo isso porque, por exemplo, quando a minha filha vem da escola, ela está cheinha de inglês. Eu sinto que ela tem muita vontade de me contar uma coisa, mas a chavinha dela ainda não rodou para o português. E então ela se frustra um pouco porque sabe que entre a gente falamos só português. 


Aí, eu já aprendi a acalmá-la dizendo: ok, pode começar me explicando o que você quer em inglês, daqui a pouco você engrena a explicação no português. E tem dado certo: ela, que já tem o português bem consistente, não está abandonando a língua, está apenas usando a que está mais fácil na cabecinha dela naquele instante. 


Sobre isto, a gente tem aqui no blog um texto fantástico da professora Sílvia Melo-Pfeifer, especialista em Português Língua de Herança. Ela fala justamente isso: da nossa parte, pai e mãe, temos que continuar insistindo, mas a gente não precisa achar que a criança está perdendo uma língua se naquele momento usa um termo em outra língua. A criança faz isso porque usa o idioma que está mais a mão.


E sobre a história do sonho: não me surpreendeu da minha filha sonhar em inglês, o que prova que realmente é sua primeira língua. Mas não há problema de seguirmos preservando uma segunda e até terceira língua. Sendo que a segunda, o português, será pra sempre a que vem do coração da mamãe. E isso minha filha já entendeu. 

Fabiana Santos é jornalista, mãe de Felipe, de 14 anos, e de Alice, de 8 anos. Eles moram em Washington-DC. Fabiana também é consultora para mães nos Estados Unidos com atendimento feito por Skype. Se você quiser saber sobre as sessões entre em contato pelo nosso email: tudosobreminhamaeblog@gmail.com

Saiba identificar situações que parecem mas não são chiliques

Saiba identificar situações que parecem mas não são chiliques

Todo mundo tem uma amizade virtual que se torna real

Todo mundo tem uma amizade virtual que se torna real