A mãe que ensinou o filho a não fazer mais bullying

A mãe que ensinou o filho a não fazer mais bullying

Segunda-feira recebi um aviso de que meu filho só entraria na escola se estivesse comigo ou com o pai.

Ao chegar lá, a professora me disse que tinha uma criança na sala que estava sofrendo bullying há dias e que um dos agressores era o meu filho.

Meu mundo caiu.

Eles apelidaram uma menina linda de “Maria Costela”. A criança já estava cheia, já não aguentava mais. Numa brincadeira, meu filho a chamou desse nome e ela revidou com um soco bem dado, porém a professora apartou a briga, tentando acalmar a menina. E ainda assim meu filho de longe soltou: “Se ela me bater novamente eu quebro a cara dela, Maria Costela.”

Na mesma hora a menina que estava tendo um surto pegou o caderno e arremessou na cara do meu filho, por pouco não furou o olho dele! Na hora meu filho partiu pra cima da menina mas a professora segurou e ficou gritando, pedindo ajuda, porque meu filho estava transtornado. A professora gritava pedindo pra menina sair, mas ela não saía, estava em choque com a cena à sua frente. Todo aquele transtorno do meu filho! Depois de minutos trouxeram água com açúcar e aos poucos ele foi se acalmando.

Tiraram a menina da sala e quase perto do final da aula, ela voltou pra sala e foi pedir desculpas pro meu filho e ele disse que não a desculpava.

No dia em que fui na escola com ele, escutei toda esta história e quando soube que se tratava de bullying, desabei no choro.

Pedi pra que chamassem a menina fora da sala, que ele ia pedir desculpas a ela. Ele rapidamente olhou pra mim com uma cara de raiva, eu olhei pra menina e disse: “Minha flor, o meu filho quer lhe pedir desculpas, mas as desculpas que ele está te pedindo hoje é a força, eu estou obrigando-o a pedir. Mas eu te garanto que amanhã esse pedido será de coração!”

Abracei a menina, chorei horrores, pedi desculpas e disse que ela era linda!

Tirei meu filho da sala e disse que ele não iria assistir aula naquele dia.

Levei meu filho dali chorando muito. Cheguei em casa, o sentei na frente do computador e coloquei dois vídeos sobre bullying para ele assistir. No primeiro percebi que ele já estava sensibilizado. No segundo vídeo, a criança vítima parecia com ele e foi onde ele quase morre de chorar. Quando terminou, eu perguntei a ele o que ele tinha pra me dizer, o que ele tinha entendido daqueles vídeos. Ele disse: “Mamãe, estou arrependido, eu não sabia que isto causava ferida na cabeça e no coração”. E começou a chorar. Hoje ele foi pro colégio. Eu mandei ele comprar um sonho de valsa e dar para a colega. Ele disse que comprou e deu. E disse pra ela que a partir de hoje ele iria protegê-la!

Ao chegar em casa recebi uma mensagem da professora me parabenizando pela minha atitude.

Peço as mães que investiguem, se seu filho é a vítima ou o agressor. E tente resolver da melhor forma. A minha vontade era dar uma pisa, mas pedi discernimento a Deus e deu tudo certo. Bullying é serio e pode ter seqüelas pro resto da vida!

Marcilane Brito é fotógrafa, casada e tem 3 filhos. Esta história aconteceu com o filho dela de 11 anos. A família mora em Fortaleza, no Ceará. Agradecemos a Marcilane por nos deixar publicar seu relato aqui no blog. E aqui o link dos 2 vídeos que ela citou no texto: https://youtu.be/Hqss8Vm7sho e

https://youtu.be/EZUs08XUkeg

Criança na água: todo cuidado do mundo!

Criança na água: todo cuidado do mundo!

A frustração da grávida quanto ao sexo do bebê

A frustração da grávida quanto ao sexo do bebê